© Certaja.

10/08/2023

Histórias de cuidado e amor marcam o Dia dos Pais na CERTAJA Energia

Conheça Adriano da Costa Rosa, pai dos trigêmeos de Vale Verde, e Luciano Monteiro, que escolheu viver a paternidade por meio da adoção

A CERTAJA Energia é formada pelo trabalho e pela colaboração de diversos cooperados e profissionais. São incontáveis famílias conectadas pelas redes da Cooperativa. Entre elas, famílias de diversos pais que se preparam para celebrar o Dia dos Pais - comemorado, neste ano, em 13 de agosto - ao lado dos filhos.
 

Os trigêmeos de Vale Verde


Responsável pela manutenção das redes da CERTAJA Energia em Vale Verde e região, Adriano da Costa Rosa atua na Cooperativa há 25 anos. Sua rotina de trabalho é distribuída em quatro dias de plantão e dois de folga. Além disso, ele é pai de três filhos. Todos com exatamente a mesma idade. Sim. Adriano é pai de trigêmeos.

A família é conhecida em toda a região pelos trigêmeos


Kauã, Kaue e Tainá dos Santos Rosa nasceram em 7 de novembro de 2006. Segundo Adriano, a gravidez da esposa, Cristiane, foi planejada, mas a notícia de que seriam gêmeos surpreendeu a todos. No decorrer da gestação, eles descobriram que não seriam dois, mas três. "Eu achei que era brincadeira. Quando a Cris me ligou do consultório do médico e me contou, quase caí pra trás”, brinca.

Adriano lembra que a rotina mudou completamente. Sua irmã e cunhadas marcaram ponto para ajudar com os meninos. Além disso, a família contou com o auxílio da Cooperativa, que promoveu, entre os colaboradores - principalmente dos setores com os quais ele mais interagia -, a arrecadação de fraldas. O nascimento dos trigêmeos também foi notícia, principalmente por se tratar de um fato incomum para uma comunidade que, atualmente, conta com pouco mais de 3 mil habitantes. 

De acordo com o pai, Kauã é o mais velho e mais extrovertido, assim como Tainá. Já Kaue é o mais tímido. "Os três amam esportes, principalmente futebol. Tainá participa de uma equipe feminina, e os meninos, além de jogar com os garotos da mesma idade, jogam ao meu lado, dos amigos e dos colegas de trabalho", explica.

Além disso, eles preservam o hábito de saírem juntos. Uma vez por mês, a família visita uma padaria de Venâncio Aires e, periodicamente, passa o fim de semana pescando. “A Cris e a Tainá nos acompanham em todo momento, mas os meninos são responsáveis por colocar a isca no anzol e recolher os peixes fisgados”, conta, aos risos.
 

A escolha pela paternidade


Luciano Monteiro e Aline Duarte Dias estão juntos desde 1999. Naturais de Pelotas, moram em Taquari desde 2006, quando Luciano ingressou no quadro de colaboradores da CERTAJA Energia. E eles sempre tiveram uma certeza: se fossem ter filhos, optariam pela adoção.

Luciano, ao lado dos filhos, Karoline e Davi, e da esposa Aline


Em 2007, esse projeto se consolidou. A partir daí, começaram os trâmites burocráticos para se tornarem aptos, o que inclui relatórios de saúde física e psicológica, vida financeira e acompanhamento de assistentes sociais. Na hora de indicar as preferências, eles informaram a possibilidade de que a criança a ser adotada poderia ter irmãos de até quatro anos. Não demorou muito para receberem o comunicado de que dois irmãos acabavam de se tornar aptos para a adoção.

“Conversando com minha esposa, definimos: se formos até o abrigo, a gente vai já para ficar com eles. Não é ir lá, olhar, e perguntarem se gostamos ou não. Se fizermos a opção de ir até o orfanato, é para fechar. E aí, a gente foi. Definimos que seriam eles, os conhecemos e começamos o processo”, conta Luciano.

A menina se chamava Karoline e tinha oito anos de idade. O nome do menino era Davi, e ele tinha cinco. A sintonia entre eles foi rápida e, logo, o casal foi autorizado a visitá-los. Depois, também puderam recebê-los aos finais de semana. Mais tarde, em períodos maiores, como Natal e datas especiais.

"A gente se aproximou, e chegou uma hora em que fomos autorizados a ficar com a guarda. Dois anos depois, conseguimos a guarda definitiva e conseguimos registrá-los com nossos sobrenomes", explica Luciano.

A família do casal recebeu a dupla de irmãos muito bem. Apesar de serem da região Sul, os familiares reuniram-se no Litoral Norte e fizeram uma festa para recebê-los, onde todos, do avô ao primo de segundo grau, se apresentaram. A CERTAJA Energia ainda fez um chá cegonha, na Associação dos Funcionários da CERTAJA (ACERTA). Em um mês, Karoline e Davi já estavam chamando Luciano de pai.

Luciano ressalta que Davi, aos 15 anos, tenta ser exemplar e é exigente consigo mesmo. Já a Karol, hoje com 18, preocupa-se com o próximo, buscando sempre ajudar o máximo possível a todos. São o orgulho do pai e da família.

Tags relacionadas
Suporte Certaja